TEMPS D'IMAGES 2009
29 OUT > 22 NOV
   
         
   
         
   
         
   
         
   
         
   
         
   
 
   
 
 
dina campos lopes
FOR ALL _ SOBRE O PROJECTO RESPIRA DE ALDARA BIZARRO
   
 

“A Simplicidade é justamente o meio”
François Fénelon, Verdadeira e Falsa Simplicidade

For All resulta do acompanhamento que a realizadora Dina Campos Lopes fez do primeiro Projecto Respira, no ano lectivo 07/08. Sob a direcção de Aldara Bizarro, profissionais de diversas áreas artísticas e alunos do 6.º ano tiveram aí a oportunidade de participar em conjunto num processo de experimentação artística e na criação de um espectáculo de dança profissional. Este filme apresenta um olhar sobre a iniciativa, levantando questões sobre a ligação entre as artes e a educação, sobre o modo como a simplicidade pode contribuir para a inovação humana e social.
O Projecto Respira alia a experimentação artística à criação de um espectáculo de dança. Na sua construção participam alunos do 6.º ano de escolaridade e profissionais de várias áreas do espectáculo. Iniciado no ano lectivo 07/08, o Projecto Respira contará este ano a sua terceira realização.
Este filme é um olhar sobre o desenvolvimento do primeiro Projecto Respira que resulta do acompanhamento feito pela realizadora Dina Campos Lopes. O ponto de partida para este documentário foi a busca do valor justo da simplicidade e da sua contribuição para a inovação humana. São as palavras do filósofo francês François Fénélon, no seu texto Verdadeira e Falsa Simplicidade, que nos convidam a ver o processo de criação do Projecto Respira à luz do conceito de Simplicidade. Aceitarmo-nos como somos, não aspirando à perfeição, é para este filósofo a verdadeira simplicidade.
Quando estes jovens retomam um contacto com o corpo, matéria primeira, falamos de simplicidade, da restituição do fundamental. A Simplicidade está também no processo, no acto de tornar simples enunciados que são complexos, sem que, todavia, percam a sua riqueza.
Trabalhar sobre “o fazer” e o retorno ao corpo permite uma descoberta do que cada um tem de mais verdadeiro no fundo de si. Estes aspectos essenciais parecem evidentes, mas são muitas vezes necessários processos criativos como este para que surjam como uma revelação, potenciadora da génese de algo novo.
Para Dina Campos Lopes, este processo de criação é um processo de inovação social. Face a um discurso académico vigente que diz já não existir a inovação social nas nossas sociedades, que é necessário criar novos “agentes de inovação”, este documentário demonstra-nos precisamente o contrário: eles existem, basta mostrar o seu trabalho.
O seu filme inscreve-se num projecto de investigação mais vasto iniciado pela Jangada de Pedra. O objectivo, para além de documentar o Projecto Respira e o seu processo de construção, é engendrar uma reflexão sobre as questões levantadas por um projecto desta natureza e contribuir para a construção de novas formas de fazer. E se pudéssemos interferir com a criação na vida das pessoas? E se o corpo voltasse ao centro do processo de aprendizagem? Que novas pontes são estas, construídas entre alunos, artistas e a comunidade em geral?
Estas e outras questões serão debatidas após a projecção do filme, numa conversa orientada por Paula Varanda, com a presença de Aldara Bizarro e Dina Campos Lopes.

 
Realização – Dina Campos Lopes | Montagem – Maria João Taborda | Pós-produção – Pedro Paiva | Produção – Jangada de Pedra | Co-Produção – Jangada de Pedra | Festival Temps d’Images
Jangada de Pedra é uma estrutura financiada pelo Ministério da Cultura / Direcção Geral das Artes