TEMPS D'IMAGES 2008
29 OUT > 17 NOV
   
         
   
         
   
         
   
         
   
 
   
 
 
o bando
CAÇA
   
 

A CAÇA encerra uma trilogia teatral iniciada em 2006. Depois de GRÃO DE BICO, ponto de partida que explorou a Voz e o Gesto, e de LINHA DA VIAGEM, a qual percorreu a Pintura de Nadir Afonso e nos hipnotizou com a vertigem da Dança, chegamos agora ao plano da estação com A CAÇA, onde se exploram as sensações surpreendentes despoletadas pelo Cinema.
Com encenação de Rogério de Carvalho (galardoado com o Prémio da Crítica por duas vezes e tanbém com o Prémio Garrett e o Prémio Almada), A CAÇA é também o nome da curta-metragem homónima de Manoel de Oliveira, estreada em 1964. Cruzando as linguagens do Teatro e do Cinema, colocamo-nos assim entre o palco e a tela, entre os actores e a projecção, de modo a podermos acompanhar os passeios de dois amigos, dois caçadores sem espingarda que atravessam lameiros e observam a violência quotidiana dos homens, a agressividade da Natureza.
Apresentada no ambiente intimista de uma tenda idealizada propositadamente para esta trilogia, n’ A CAÇA cruzam-se também dois universos: o mundo adulto e o imaginário da infância, num espectáculo que sublinha e sublima a definição de plano – objecto geométrico infinito a duas dimensões.

 

Encenação Rogério de Carvalho
Espaço cénico Rui Francisco e João Brites
Corporalidade Luca Aprea
Figurinos e adereços Clara Bento
Interpretação Crista Alfaiate, Miguel Eloy e Sara de Castro
Criação Teatro o bando
Parceria Centro Cultural Vila Flor