LOOPS.LISBOA

10

December

O Loops.Lisboa, apresentado pelo Festival Temps D’Images Lisboa 2018 e o Museu Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado (MNAC), apresenta na sua quarta edição um conjunto de três obras que, seleccionadas entre 197 candidaturas, que marcadamente possuem o “manual”, o “mecânico”, o “artesanal”, o “simples” ou mesmo o “sujo” enquanto elos de ligação imagética.

"Aquela velha questão do som e da imagem", de João Bento, brinca com o sync audiovisual, sobrepondo camadas de informação visual diante de um plano fixo, para criar um loop-janela de beleza particular, e directamente associado à lógica do pré-cinema.

“Período Azul”, de Mané, delicia-nos com uma combinação entre o papel, a cor azul e algumas obras icónicas da Arte dos séculos XX e XXI para estabelecer um loop conceitual que ultrapassa a imagem per se, construindo um ciclo de inter-relação e permanência.

E “O Guarani (direita e esquerda)”, de Letícia Larín, empurra-nos para um loop formal e semiótico desconcertante, ao retratar o catastrófico momento social e político do Brasil através de camadas de significado sonoros, pictóricos e de simbologia cultural brasileira que se amontoam umas sobre as outras e impedem a indiferença.

O mais fascinante do encontro deste conjunto de obras, entretanto, reside na sua capacidade de ultrapassar a dimensão "analógica" representada por canetas, papéis, tintas, manivelas, fotografias e instrumentos musicais. O que as une, sobretudo, são conceitos mais alargados e atemporais como o desejo pela materialidade, a inteligência do contexto e a busca pelo bom senso diante de um caótico zeitgeist.

Os três trabalhos seleccionados afirmam, de forma muito vincada, a essência filosófica por trás do loop: todas as coisas pertencem a ciclos - sejam eles de beleza, fruição, tributo, crise ou ignorância. Life is a loop. E a Arte possui o dom essencial de demonstrar isso.

Júri de Pré-selecção: Irit Batsry (presidente), Alisson Ávila e António Câmara Manuel
Júri de Premiação: Emília Tavares (presidente), Isabel Nogueira e Sandra Lischi