Festa Temps d’Images e indiefrente

12

November
FESTA
  • 2 de Novembro
  • 18h30
DURAÇÃO
  • 4h
LOCAL
BILHETES
  • Entrada Livre
PARTILHAR

Sinopse

Vamos celebrar o início de mais uma edição do festival Temps d'Images com uma festa, em parceria com o indiefrente. Com Carolina Caramujo (Harpa Contemporânea) e os Djs Nuno Lopes e José Pimentão. A entrada é livre.

Carolina Caramujo Machado

Nasceu em Lisboa, a 18 de Março de 1997. Neste momento a gravar o seu primeiro álbum, Sol em Casa, com lançamento previsto ainda para 2018, iniciou o estudo de harpa em 2004, no Conservatório de Música Nossa Senhora do Cabo, em Linda-a-Velha, formação que se prolongaria até 2012, tendo estudado a partir de 2009 com a Professora. Beatrix Schmidt. Termina então os seus estudos no Conservatório, passando a ter aulas particulares, até à actualidade, com a Professora Eva Guerra. Em 2011, participou numa masterclass de Harpa com a harpista Stéphanie Manzo. A aquisição de uma harpa céltica, em 2016, viria a gerar e facilitar algumas oportunidades de actuação ao vivo. Em Julho desse ano, toca no Festival Super Bock Super Rock como parte do espectáculo de Surma (Débora Umbelino); no início de Outubro, actua no Festival noc noc, em Guimarães; e, em Dezembro, na Capela do Palácio Marquês de Pombal, em Oeiras, no âmbito do evento Natal no Palácio Encantado, local onde voltaria a tocar em 2017, desta feita na Adega, no âmbito do evento Há Prova em Oeiras. Nesse ano, é igualmente convidada para tocar no Hotel Epic Sana, em Lisboa, e na Livraria-Galeria Municipal Verney, em Oeiras, regressando ainda ao Festival noc noc, em Outubro. De 2018 destacam-se, até ao momento, três concertos em Lisboa: em Fevereiro, na Casa Raphael Baldaya e na livraria Ler Devagar; e, em Março, no Crew Hassan, no âmbito do Festival Um Ao Molhe 2018. Estuda Cinema, desde 2016, na Escola Superior de Teatro e Cinema, em Lisboa, frequentando neste momento o 2º ano na vertente Som e Realização. Autora da curta-metragem “Putos da Estrela”, seleccionada para a secção IndieJúnior do Festival IndieLisboa, integrando assim o programa oficial da edição de 2016 deste evento. Em Setembro de 2017, frequenta um workshop com Salomé Lamas, na primeira edição da BoCA (Biennial of Contemporary Arts) Summer School, em Lisboa, explorando o que a realizadora define como “os pressupostos limites do cinema de não-ficção”.

José Pimentão

Estamos mais habituados a vê-lo no palco, no cinema ou na tv. José Pimentão é actor, mas o gosto pelo DJing fala cada vez mais alto. Começou o seu percurso em 2014, mas foi há cerca de um ano que começou a levar mais a sério a tarefa de pôr pessoas a dançar, tendo já partilhado cabine com Nuno Lopes e The Quiet Times.

Nuno Lopes

Nasceu em Lisboa em 1978.
Actor de profissão, começou a sua carreira como Dj em 2006. Se inicialmente apenas colocava discos pelo simples prazer de o fazer, rapidamente começou a tocar em nome próprio e enquanto Lovely Bastards (dupla que mantém com Mad.Mac) em diversos festivais e clubes por todo o país e em algumas cidades europeias. Entre os quais se destacam: Festivais: Festival Paredes de Coura (2009, 2011, 2012, 2013, 2015, 2017), Rock in Rio (2010), Optimus Alive (2009), Azurara Beach Party (2009). Eventos: Berlin Film Festival (Shooting Stars 2007 Gala), MTV Insomnia Beach Party e America's Cup Beach Party (2009). Clubes: Exil (Zurich - Switzerland), Abart (Zurich - Switzerland), Bonnie and Clyde (Tallin - Estónia) e Lux (Lisboa), Herz (Berlim).
Trabalha com regularidade em vários clubes por todo o país de onde se destacam as noites no Rive Rouge, Music Box, 49 ZDB e ainda Pitch, Passos Manuel e Plano B no Porto. Já partilhou cabine com os internacionais Claptone, Bart B More, NT89, Paul Chambers, Gui Boratto, T.E.E.D., Kavinsky, Josh Wink, Flight Facilities, Mustards Pimp, Chicks on Speed, Clouds, The Twelves, Cyberpunkers, Chewy Chocolate Cookies e os com os portugueses Buraka Som Sistema, Moullinex, Xinobi, Zombies for Money, Twin Turbo, Mega Bass entre outros.
O seu estilo ecléctico pode levar-nos no mesmo set do Deep House aos Raw beats, do TechHouse e Techno ao Bassline nunca descurando a energia necessária para empolgar as almas noctivagas.