De Perto, Uma Pedra

Carolina Campos, João Fiadeiro & Leonardo Mouramateus

21

October
AUTOR(ES)
  • Carolina Campos
  • João Fiadeiro
  • Leonardo Mouramateus
CONFERÊNCIA-PERFORMANCE
  • 17 e 18 de Novembro
  • 16h30
DURAÇÃO
  • 90’ (aprox.)
LOCAL
BILHETES
  • Normal: 8,00€
  • Desconto: 5,00€
  • (maiores de 65, menores de 30 e profissionais do espectáculo)
  • > COMPRAR
CLASSIFICAÇÃO
  • M/6
PARTILHAR

Sinopse

"De perto, uma pedra" completa a frase que poderia ter sido escrita por Bruno Munari após "From afar it was an island", titulo de um livro que escreveu para crianças e que João Fiadeiro "pediu emprestado" para nomear o espetáculo que estreou no Festival DDD no Porto de 2018 (a partir de uma encomenda do Alkantara Festival).
Este movimento de re-visitação, para um ambientes “in situ”, de obras originalmente desenhadas para palco, é uma prática cada vez mais recorrente no percurso de João Fiadeiro. Retomar e remontar a mesma matéria, mas em modo “unplugged”, libertando-a da tirania da narrativa que o aparato teatral obriga, é uma necessidade que se tem tornado “vital” na sua relação com os objetos e artefactos que produz. Tem também o objetivo de proporcionar ao público uma experiência de emersão e envolvimento que a condição de “espectador” não ajuda mas que a condição de “visitante” potencializa. Como se, para anular a expectativa do espectador (e ativar uma percepção da ordem do sensorial e do sensível), fosse necessário retira-lo do “lugar marcado” (fixo, imóvel e inerte) que normalmente ocupa na plateia.
O que propomos com "De perto, uma pedra" é exatamente aquilo que a frase sugere: proporcionar ao espectador/visitante que olhe de perto (e por dentro) de um trabalho que foi originalmente desenhado para ser olhado de longe (e de fora). Para que possa, assim, extrair (da ilha) uma pedra. Essa pedra não é nem mais nem menos preciosa do que a ilha de onde ela foi retirada. Ela não é a parte de um todo. Ela é um todo. Não ambiciona por isso explicar, justificar ou ilustrar a obra-ilha. Pretende simplesmente reafirmar (tal como Munari sugere) que todas as coisas são o que são (ou o que se tornam) dependendo da perspectiva e da escala em que as experimentamos.
"De perto, uma pedra" serve também para fazer um elogio ao lugar do processo (ao ato de "partir pedra") como território de direito próprio e que tem na figura da "performance-conferência“ uma plataforma justa para se manifestar.

Ficha Técnica

Conceito
João Fiadeiro

Co-direcção
João Fiadeiro
Leonardo Mouramateus
Carolina Campos

Performance e co-criação
Carolina Campos
Adaline Anobile
Márcia Lança (em substituição de Nuno Lucas)
Iván Haidar
Julián Pacomio

Captação sonora em tempo real
João Bento

Luzes
Leticia Skrycky

Espaço
João Fiadeiro e equipa a partir do espaço cénico de “From afar it was an island” de Nadia Lauro (cenografia), Gabriela Forman (figurinos) e Bruno Bogarim (objectos)

Produção
Sinara Suzin

Difusão
Somethinggreat

Co-produção (De perto, uma pedra)
Temps d’Image/Duplacena
Atelier REAL

Co-produção (From afar it was an island)
Alkantara
Festival DDD
Teatro Viriato
Teatro Avenida
Centre National de la Danse

Apoio
Câmara Municipal de Lisboa
Polo Cultural Gaivotas
Boavista

“From afar it was an island” foi financiado por
DGArtes–Direção-Geral das Artes

Carolina Campos

N. 1978, Caxias do Sul. É brasileira e actualmente reside em Lisboa. É licenciada em Comunicação e pós-graduada em Fotografia. Começou a trabalhar com dança em 1998 na Cia Municipal de Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, tendo-se mudado para o Rio de Janeiro em 2007 onde foi bailarina da Lia Rodrigues Cia de Danças até 2011. Tem especial interesse em estar envolvida com diferentes modos de colaboração e em perceber como estes processos influenciam os objectos artísticos. Neste sentido tem colaborado e desenvolvido experiências com artistas nacionais e estrangeiros, dos quais destaca Cláudia Dias (PT), Calixto Neto (BR), Ivan Haidar (AR), Sezen Tongus (TUR), Julia Salaroli (BR) e Coletivo Qualquer (ES/ BR). Desde 2012 colabora com João Fiadeiro nas diversas plataformas que este desenvolve, desde a formação e investigação a partir da Composição em Tempo Real, passando pela programação do Atelier Real, ou na criação coreográfica. É intérprete e co-criadora da última peça do coreógrafo “O Que Fazer Daqui Para Trás”. Trabalha actualmente enquanto assistente e ensaiadora da peça “O Limpo e o Sujo” de Vera Mantero.

João Fiadeiro

(1965) É coreógrafo, investigador e pedagogo que pertence à geração de artistas que emergiu no final da década de oitenta e que deu origem à Nova Dança Portuguesa. Em 1990 fundou a Companhia RE.AL, responsável pela criação e difusão dos seus espectáculos. Acompanha com frequência, na qualidade de tutor, artistas emergentes, ao mesmo tempo que acolhe, no âmbito da programação do Atelier Real, eventos transdisciplinares. O método de Composição em Tempo Real afirma-se enquanto ferramenta e plataforma teórico-práctica que investiga a decisão, a representação e a colaboração tanto na criação artística como na pesquisa científica. Essa investigação tem-no levado a orientar workshops em programas de mestrado e doutoramento em universidades portuguesas e estrangeiras. Frequenta actualmente o doutoramento em Arte Contemporânea do Colégio das Artes de Coimbra.

Leonardo Mouramateus

(Fortaleza, 1991) É realizador e guionista. Mestre em Arte-Multimédia pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, trabalha desde 2010 em contacto permanente com as artes performativas e dramaturgia em dança, além de dirigir filmes exibidos em festivais em todo o mundo. Com “Mauro em Caiena” (2012) ganhou o prémio de melhor curta-metragem no 35º Cinéma du Reél, em Paris e no 11º Doclisboa. O seu documentário “A Festa e os Cães” (2015), estreou mundialmente no 37º Cinéma du Réel - ganhando pela segunda vez o festival francês. “História de uma pena” (2015) teve sua estreia na competição do Festival de Cinema de Locarno, sendo premiado no 48º Festival de Brasília. “António Um Dois Três” (2017), produção luso-brasileira e a sua primeira longa-metragem, estreou no Festival de Cinema de Rotterdão.
17
Novembro
Conferência-Performance
De perto, Uma Pedra (Conferência-Performance)
Carolina Campos, João Fiadeiro & Leonardo Mouramateus
16h30, MAAT - Sala dos Geradores
Bilhete Normal: 8,00€; Bilhete Desconto: 5,00€
18
Novembro
Conferência-Performance
De perto, Uma Pedra (Conferência-Performance)
Carolina Campos, João Fiadeiro & Leonardo Mouramateus
16h30, MAAT - Sala dos Geradores
Bilhete Normal: 8,00€; Bilhete Desconto: 5,00€