See That My Grave Is Kept Clean

Adaline Anobile

13

November
play_circle_filled
pause_circle_filled
SEE THAT MY GRAVE IS KEPT CLEAN
volume_down
volume_up
volume_off
  • Estreia Nacional
AUTOR(ES)
  • Adaline Anobile
DATA
  • 2 de Novembro, 21h30
  • 3 de Novembro, 19h00
DURAÇÃO
  • 45’
BILHETES
CLASSIFICAÇÃO
  • M/6
PARTILHAR

Sinopse

Uma gravura renascentista de Albrecht Dürer representa uma cena insólita: uma mulher nua deitada numa mesa por detrás de uma grelha; do outro lado, um homem tenta reproduzir o que vê, usando a grelha como sistema de referência para medir, para assinalar, para ver. Mesmo que a figura da mulher seja captada por este dispositivo, denominado máquina de perspectiva, nunca será totalmente contemplada. A grelha não capta a sua profundidade ou pensamentos. Em See that my grave is kept clean, as três figuras na gravura - a mulher nua, o observador e a grelha - são transpostos para o palco.

Ficha Técnica

Conceito e performance
Adaline Anobile

Colaborador artístico
Carolina Campos

Cenário
Pauline Brun

Desenho de luz
Leticia Sckrycky

Orientação artística
Myrto Katsiki

Co-produção
Landslide, far° festival des arts vivants Nyon no contexto do programa Extra Time

Apoio
Loterie Romande
Fondation suisse des artistes interprètes SIS

Parceiros
Workspacebrussels
Honolulu Nantes
BUDA Courtrai
La Caldera Barcelona
Atelier REAL
Théâtre Saint-Gervais Genève

Bio

Adaline Anobile nasceu na Suíça. Concluiu um mestrado em Design Têxtil na Escolas de Artes Visuais La Cambre em Bruxelas (BE) antes de realizar a sua pesquisa em Dança. Em 2015, Adaline concluiu o seu mestrado em Coreografia no ex.e.r.ce / Centro Coreográfico Nacional em Montpellier (FR). O seu interesse por Filosofia, práticas somáticas, artes marciais e voz influenciaram o desenvolvimento da sua obra. Movendo-se entre campos, formatos e técnicas, a sua obra desenvolve-se entre diversos aspectos: matéria, palavras, corpos e conceitos que se contaminam uns aos outros em realidades de múltiplas texturas, que desafiam a hierarquia e a domesticação. Numa tentativa de captar estes espaços estranhos e íntimos, o seu processo questiona os sistemas. Vagueando entre o sistemático e o sensual, a sua obra ensaia mudanças na percepção. As suas obras mais recentes incluem À 10CM PRÈS, em co-autoria com Julie Gouju (2018); NOIR APPARENT, em co-autoria com Rudy Decelière (2014); e uma série de curtas performances a solo, como ALINEA (2016), ABBATIALE DE BELLELAY (2012) e RUNNING (2010). Como intérprete, tem trabalhado com João Fiadeiro, Laurent Pichaud e Jule Flierl. Actualmente, Adaline vive em Bruxelas.
2
Novembro
SEE THAT MY GRAVE IS KEPT CLEAN
Adaline Anobile
21h30, CAL - Centro de Artes de Lisboa / Primeiros Sintomas
3
Novembro
SEE THAT MY GRAVE IS KEPT CLEAN
Adaline Anobile
19h00, CAL - Centro de Artes de Lisboa / Primeiros Sintomas

© far° Nyon / Julien Gremaud