LOOPS.LISBOA 2019

13

November
DATA
  • De 12 de Dezembro a 2 de Fevereiro
PARTILHAR
O Loops.Lisboa está em transformação.

Há cinco anos, nascia o Loops.Lisboa, uma iniciativa do Festival Temps d’Images Lisboa, com a cumplicidade do Museu Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado, com o objectivo de reflectir sobre e celebrar o Loop como linguagem. Nas nossas primeiras quatro edições, organizámos uma competição portuguesa, expondo os loops finalistas no museu.

Para a nossa quinta edição, temos o prazer de revelar o nascimento de uma rede internacional dedicada à pesquisa da forma do Loop. A partir de 2020, os parceiros da rede irão organizar uma série de projecções, instalações, encontros e intervenções sobre o Loop.
A rede é composta por curadores de cinema e videoarte de diversos países: Mario Gutiérrez Cru (Festival Proyector, Madrid - Espanha); Sandra Lischi (Onda Video, Pisa - Itália); Torn Van Vliet (WWVF, Amesterdão - Países Baixos); Cine Esquema Novo collective (Porto Alegre - Brasil) e Loops.Lisboa/Festival Temps d'Images (Lisboa - Portugal).

Para comemorar esta nova direcção internacional, a edição de 2019 do Loops.Lisboa irá apresentar uma exposição dos loops Anémic Cinéma (1926), de Marcel Duchamp, e Good Boy Bad Boy, de Bruce Nauman, no Museu Nacional de Arte Contemporânea.

Junte-se a nós na abertura do Loops.Lisboa no dia 12 de Dezembro de 2019.

Irit Batsry e Alisson Avila

Good Boy Bad Boy

Bruce Nauman
1985, 18’

Concebida como uma afirmação moral didáctica, a instalação usa dois actores, Joan Lancaster e Tucker Smallwood, apresentados num plano de close-up, como apresentadores, em dois monitores separados. Cada um recita um comentário de cem linhas sobre a condição humana que inclui passagens como “Fui um bom menino/Foste um bom menino/Fomos bons meninos” e “Odeio/Odeias/Odiamos/Isto é o ódio.” Confrontando directamente o espectador, cada repetição é feita com uma intensidade emocional cada vez maior, alterando a sincronização um com o outro.

Colecção Tom van Vliet.

Bruce Nauman (1941)
Bruce Nauman é um artista amplamente influente cuja obra explorou a poética da confusão, da ansiedade, do tédio, do aprisionamento e da falha desde os anos 60 do século XX. Nauman foi uma figura fundamental do movimento do cinema e vídeo experimental no final dos anos 60 e inícios dos anos 70, com obras como Dance or Exercise Around the Perimeter of a Square (Square Dance). Depois de 1973, o cinema e o vídeo desapareceram da sua obra, substituídos por esculturas em néon com base em idiomas. Regressou ao vídeo mais de uma década depois, com Good Boy Bad Boy.

Anémic Cinéma

Marcel Duchamp
1925-1926, 7’05’’

Este filme dada característico de Marcel Duchamp consiste numa série de trocadilhos visuais e verbais, com frases sem sentido inscritas em padrões em espirais rotativas, criando um efeito quase hipnótico.
“A provocação pensada e ofensiva é uma das formas possíveis de interpretar os dez discos ópticos e os trocadilhos correspondentes exibidos no filme. O jogo de palavras com silogismos em Francês colide com as ilusões ópticas que sobressaem e se retraem nas esferas rotativas. Julien Levy deu o nome “Spirals” ao filme e exibiu-o repetidamente na sua galeria de arte durante os anos 30 do século XX.” – Bruce Posner

Marcel Duchamp (1887-1968)
“Indubitavelmente o maior iconoclasta do século XX, Marcel Duchamp dedicou a sua carreira a desmistificar as ideias pré-existentes sobre a arte, a qual acreditava ser um apelo ao intelecto e não aos sentidos. Motivado pela tempestade da controvérsia criada pelo seu quadro Nude Descending a Staircase, Nº.2 na Armory Show em 1913, Duchamp foi viver para Nova Iorque em 1915. Era extremamente activo no recente movimento avant-garde americano, editando diversas revistas Dada, inventando jogos de palavras e trocadilhos e designando objectos comuns como obras de arte “prontas a usar”. Durante este período, desenvolveu a sua longa amizade com Man Ray.” – Michael R. Taylor