NO ESPAÇO // INSTALAÇÕES

CATARINA BOTELHO // ZONA DE ORDENAÇÃO ABERTA
TEATRO DA POLITÉCNICA _ SALA DAS JANELAS |12 NOV > 13 DEZ
Terça a Sexta das 17h00 até ao final do espectáculo // Sábado das 15h00 até ao final do espectáculo
Entrada Livre

A é cidade ordenada, rica e limpa, demasiado limpa, não é nem bonita nem feia. Caminho na tentativa de pertencer às ruas e que as ruas me pertençam ao andar. Ando longe das zonas turísticas e do centro histórico. O sol quente bate-me nas costas. Ao subir uma colina, encontro um bairro constituído por blocos de habitação, uma combinação de edifícios para a classe média com habitação social, construído nas últimas décadas. O espaço público é preenchido por pátios, parques, campos de jogos e caminhos pedonais. Observo as pessoas a jogarem, conversarem, fazerem compras, de um lado para o outro nas suas rotinas diárias. É um bairro apropriado e vivido pelos seus habitantes. Continuo a andar. Encontro esquinas coloridas, monocromáticas ou de duas cores, que me parecem zonas de respiração. Invadem-me e ao mesmo tempo tenho vontade de as engolir. Esquinas, cantos, cruzamentos – lugares de encontro, visões privilegiadas no tecido urbano. Implantadas em zonas pedonais a ideia de dentro e fora confunde-se.
Alguém me disse que sempre que as esquinas de edifícios sempre lhe tinham parecido proas de barcos.